CANDANGOS CAPITAL

Candangos de Brasília

Candango é um termo hoje utilizado para definir os pioneiros construtores de Brasília. Na
origem, porém, o termo era pejorativo: servia para identificar os portugueses ou, ainda,
pessoa de mau gosto. Com o passar do tempo, designou os senhores de engenho e, depois, os
cafuzos (mestiços de índios e negros).

Brasília, DF, Brasil Foto: Mário Fontenelle/ Arquivo Público do Distrito Federal\r \rCâmara Legislativa homenageia o pioneiro Mário Fontenelle com título póstumo de Cidadão Honorário de Brasília. Fotógrafo oficial do governo Juscelino Kubitschek, são dele fotos icônicas: o cruzamento dos eixos, o Marco Zero da construção de Brasília e a imagem de JK e Lucio Costa no local onde se iniciaria o Eixo Monumental.


Candango era o peão de obra. Pioneiro eram os técnicos, os funcionários públicos, os
engenheiros, os arquitetos. Candango era pioneiro, mas pioneiro não gostava de ser chamado
de candango.
De acordo com o IBGE, haviam, na época da construção de Brasília, cerca de 64 mil pessoas
ocupando a área demarcada para o DF. A maioria da população, arregimentada para trabalhar
na construção civil, era de 42 mil homens.
Além do povoamento predominantemente masculino, Luiz Antônio, um escritor, chama a
atenção para a velocidade e o tamanho do crescimento populacional. A migração começa em
1956 com a chegada de 256 trabalhadores, os primeiros candangos, como eram chamados os
operários que construíram Brasília.
Grande parte dessa população vivia em acampamentos da construção dos primeiros prédios
de Brasília e a maioria na faixa etária de 20 a 40 anos. A origem predominante dos candangos
era dos estados mais próximos: Goiás (23,3%), Minas Gerais (20,3%) e Bahia (13,5%). Em
termos regionais, os nordestinos eram os principais candangos (44%). O IBGE também contou
1.216 estrangeiros morando em Brasília em 1959.
A palavra candango passou a marcar um conceito, ou uma ideologia. A ideologia da igualdade
que se traduziu na ideia de ‘grande família’. Essa ideia substituiu as distinções sociais e
homogenizou as relações que se estabeleceram durante a consolidação do sonho-Brasília.

Fontes:
https://memoria.ebc.com.br/
http://www.historia.seed.pr.gov.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *